segunda-feira, 20 de julho de 2009

No silêncio


A energia do todo se apossou de você. Você está possuído, você nem mesmo existe mais: o que existe é o todo. Neste momento, à medida que o silêncio o penetra, você vai sendo capaz de compreender a significância dele, porque é o mesmo silêncio vivenciado pelo Buda Gautama. É o mesmo silêncio de Chuang Tzu ou Bodhidharma, de Nansen... O sabor do silêncio é o mesmo. Os tempos mudam, o mundo continua se transformando, mas a experiência do silêncio, a alegria que vem dele, permanece a mesma. Essa é a única coisa em que você pode confiar, a única coisa que nunca morre. Esta é a única coisa que você pode chamar de seu próprio ser.

5 comentários:

  1. é bom quando atingimos este estado de unicidade, muita paz.

    ResponderEliminar
  2. Nós ocidentais precisamos mais de silêncio. Sublimes abraços

    ResponderEliminar
  3. Olá,

    Estava aqui no meu "silêncio" sim...porque até costumo desligar o som... porque gosto e aprecio o silêncio...amo o silêncio. E encontrei este espaço que estou a gostar.
    Por vezes sou incompreendida por isso....
    Vou passando,... gostei do que estou lendo...
    Bem-haja
    Abraço
    Mer

    ResponderEliminar
  4. QUE SEJA UM SILÊNCIO CHEIO DE FELICIDADE E PAZ...

    ResponderEliminar

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails